Home ECONOMIA Governo Federal está cogitando comprar diesel da Rússia para suprir demanda e evitar escassez

Governo Federal está cogitando comprar diesel da Rússia para suprir demanda e evitar escassez

Para se antecipar na corrida dos combustíveis e suprir demanda de diesel, Brasil pode está cogitando negociações com a Rússia

by Valdemar Medeiros
Brasil negocia compra de diesel da Rússia para suprir demanda e evitar escassez

Antecipando uma possível escassez de combustível, principalmente diesel, o governo federal considera importar o combustível da Rússia. Atualmente, apenas a Petrobras importa diesel da Índia, país que está refinando o petróleo russo. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil já está auxiliando empresas privadas com o credenciamento necessário para tais operações por meio da Abicom, a associação dos importadores de combustíveis.

Possíveis entraves na compra de diesel da Rússia

O acesso antecipado ao petróleo da Rússia/Índia não é fácil, pois os bancos não estão interessados ​​em abrir uma carta de crédito para operações de importação russas, temendo represálias devido ao boicote internacional após a invasão russa da Ucrânia. Os bancos também não estão dispostos a receber pagamentos de operações pagas em parcela única por empresas no Brasil.

Por causa desses entraves, a embaixada brasileira em Moscou está negociando com potenciais exportadores russos e trabalhando em nível diplomático para obter autorização para confirmar tais negócios, como tem feito com sucesso até agora com a compra de fertilizantes.

O Brasil estima precisar importar entre 228 milhões e 454 milhões de litros de diesel S-10 por mês (2,37 bilhões de litros no segundo semestre do ano), além do que a Petrobras produz e importa. No geral, o déficit estimado de diesel de julho a dezembro é de quase 3 milhões de metros cúbicos.

De acordo com um acordo entre a Petrobras e o Ministério de Minas e Energia, a gigante do petróleo se compromete a importar 2.925.000 metros cúbicos de combustível de julho a dezembro e, entre setembro e outubro, importará 1.225.000 metros cúbicos. Mas é insuficiente, o Brasil consome mais de 5 milhões de metros cúbicos por mês.

Petrobras e outras distribuidoras antecipam reuniões para falar sobre compra de diesel da Rússia

A Petrobras e diversas distribuidoras de combustíveis participaram de reunião no início do mês no Ministério de Minas e Energia, que avaliou a necessidade de o Brasil aumentar as importações em mais de 15% para atender às necessidades domésticas. Mas com a diferença de preços entre os mercados doméstico e internacional, os importadores privados se abstiveram de se registrar para importar diesel.

No entanto, dada a situação internacional, o governo federal tem alguns pontos positivos, primeiro o fato de o governo Bolsonaro estar alinhado com Putin da Rússia no que diz respeito ao conflito de guerra; segundo e mais importante, os preços russos são mais baixos, mesmo quando a Índia cobra da Petrobras o preço internacional.

Abicom estima que importações russas podem ser positivas

A Abicom estima que as importações da Rússia ainda seriam competitivas para empresas privadas no Brasil, já que a diferença de preço  é de 8%. Ou seja, importar 3 milhões de toneladas de diesel russo no segundo semestre não deve ser um problema. O problema é como fazer pagamentos com a Rússia banida do circuito financeiro global.

Sem falar na reação dos EUA e da União Europeia, embora os países membros do BRICS, incluindo China, Índia, África do Sul, tenham pedido o fim da guerra, para conter impactos econômicos adversos sobre as populações mais vulneráveis. O Brasil destaca ainda que vários países europeus continuam sendo abastecidos com gás pela russa Gazprom.

Veja também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais