Home ECONOMIA Com efeitos do coronavírus, economia da China encolhe 6,8% no 1º trimestre

Com efeitos do coronavírus, economia da China encolhe 6,8% no 1º trimestre

by Marcelo Santos
moeda chinesa

A economia da China se contraiu pela primeira vez em 30 anos. O produto interno bruto (PIB) da gigante asiática caiu 6,8% no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado, confirmando os efeitos do novo coronavírus.

No último trimestre de 2019, o crescimento da segunda maior economia do mundo foi de 6% ano a ano. Essee indicadores de PIB da China são de interesse devido a sua importância na economia. “Os dados do PIB do primeiro trimestre ainda estão amplamente alinhados com as expectativas, refletindo as perdas da estagnação econômica quando toda a sociedade foi isolada”, disse Lu Zhengwei, economista-chefe do Industrial Bank.

Em uma medida para impedir a propagação do vírus, que matou oficialmente mais de 3.300 pessoas no país, no final de janeiro, a China adotou contenções sem precedentes que impediam os trabalhadores de se mudarem, fecharam fábricas e lojas e afetaram seriamente a economia.

FMI ainda prevê crescimento do PIB da China em 2020

Em 2019, a economia da China, a segunda maior do mundo, cresceu 6,1%, o que é um resultado pequeno para um país acostumado a um grande crescimento econômico nas últimas décadas.

Devido à incerteza em torno da pandemia, a China ainda não divulgou sua meta de crescimento para 2020. Nas previsões recentes, o Fundo Monetário Internacional (FMI) projetou um crescimento de 1,2% no PIB da China este ano.

“No próximo estágio, o problema é a falta de demanda geral. A demanda doméstica não se recuperou totalmente, pois o consumo associado aos grupos sociais ainda é proibido, enquanto a demanda externa deve ser enfraquecida enquanto a pandemia está se espalhando ”, afirmou Lu. Zhengwei.

Em entrevista à imprensa, o representante da agência de estatística Mao Shenyong disse que o desempenho econômico da China no segundo trimestre deve ser  melhor do que no primeiro. Entretanto, o fraco consumo interno, que tem sido o principal fator de crescimento, continua sendo uma preocupação, à medida que a renda diminui e o resto do mundo entra em recessão.

Os dados mostraram que a renda disponível per capita após o ajuste pela inflação caiu 3,9% em comparação com o ano anterior no primeiro trimestre. As vendas no varejo caíram novamente em março, para 15,8% ano a ano. A produção industrial, no entanto, caiu apenas 1,1%. Nos dois meses anteriores – as únicas estatísticas disponíveis – as vendas no varejo caíram 20,5% e a produção industrial – 13,5%. Os investimentos em ativos fixos em janeiro-março perderam 16,1% em relação ao ano anterior.

Medidas para incentivo

Os líderes chineses já prometeram tomar medidas adicionais para combater perdas, mas estão cientes das lições aprendidas em 2008-2009, quando um forte estímulo pressionou a economia com enormes dívidas. No mês passado, o Politburo do Partido Comunista disse que aprecia medidas como títulos mais especiais dos governos locais e títulos especiais do tesouro.

O banco central já afrouxou a política monetária para ajudar a liberar crédito para a economia, mas seu enfraquecimento até agora tem sido menos agressivo do que durante a crise financeira. O governo também receberá incentivos financeiros adicionais para estimular o investimento em infraestrutura e consumo, o que poderia elevar o déficit orçamentário de 2020 a um nível recorde.

Com a informação: FIEMS (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais