Home ECONOMIA China quer eliminar a mineração de bitcoin por desperdiçar energia e poluir o meio ambiente

China quer eliminar a mineração de bitcoin por desperdiçar energia e poluir o meio ambiente

by Bruna Carla
china e as fabricas de bitcoin

O país com as maiores fazendas de mineração de criptomoedas do mundo, a China, pretende proibir completamente suas operações, de acordo com um novo relatório divulgado por seu principal órgão de planejamento econômico.
A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês) divulgou na segunda-feira propostas de emendas à lista de indústrias que quer apoiar, restringir ou eliminar. Bitcoin e outras minas de moedas digitais estão listadas entre um enxame de outras atividades na última seção do documento atualizado, que inclui aquelas vistas como desperdício de recursos ou poluição do meio ambiente.

As alterações propostas estarão disponíveis para discussão pública até 7 de maio. O regulador não elaborou um prazo específico para se livrar da mineração em moeda virtual, o que poderia resultar na imediata eliminação do setor, informou o jornal estatal Global Times.

 

O movimento é visto como um novo passo na repressão de Pequim à mineração de criptografia, apesar do domínio do país na esfera. A China abriga as maiores fazendas de mineração de criptomoedas do planeta, graças à eletricidade barata em algumas de suas regiões, como as regiões ricas em carvão de Xinjiang e Mongólia Interior, bem como as províncias de Yunnan e Sichuan.

Assim, os mineiros chineses terão que mudar suas instalações no exterior. Algumas empresas já haviam feito isso, como a Bitmain, gigante do setor de mineração criptomoeda de Pequim, que transferiu algumas de suas instalações para os Estados Unidos.

O movimento é visto como um novo passo na repressão de Pequim à mineração de criptografia, apesar do domínio do país na esfera. A China abriga as maiores fazendas de mineração de criptomoedas do planeta, graças à eletricidade barata em algumas de suas regiões, como as regiões ricas em carvão de Xinjiang e Mongólia Interior, bem como as províncias de Yunnan e Sichuan.

Assim, os mineiros chineses terão que mudar suas instalações no exterior. Algumas empresas já haviam feito isso, como a Bitmain, gigante do setor de mineração criptomoeda de Pequim, que transferiu algumas de suas instalações para os Estados Unidos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais